Literatura


Sob forma de poemas, lendas, contos, canções, provérbios, crônicas e poesias muita coisa da literatura pode ser considerada como elemento importante do folclore. Justo também incluir como manifestação folclórica as descrições de jogos, danças, desenhos, pinturas e até de e-books da era moderna. É a melhor forma da expressão popular e lúdica porque mais livre em textos e contextos.

No dizer de Carlos Rodrigues Brandão, "Qualquer que seja o tipo de mundo social onde exista manifestação de caráter popular, o folclore é sempre uma fala. É uma linguagem que o uso torna coletiva. O folclore são símbolos. Através dele as pessoas dizem o que querem dizer."

Assim, o nosso 22 de Agosto é oficialmente o Dia do Folclore. E para comemorarmos esta data tão especial, elegemos um importante ícone de nossa tradição nordestina: A Literatura de Cordel.
Wanderlino Arruda

Entre o romance e o folclore

Florestan Fernandes

Pode-se encarar as relações do romance com o folclore sob vários aspectos, desde o mais elementar aproveitamento do material folclórico como um fator de realce na observação direta, até à possibilidade de uma estética que permita um contato e uma comunhão maior entre o público e o povo. Mas, há uma questão que afeta qualquer tentativa, ampla ou restrita, do aproveitamento dêsse material por parte do romancista: sua validade e limites. Sim, porque é preciso considerar que o romancista faz literatura e não folclore e que além disso os folcloristas podem também ter suas idéias sôbre o assunto. A questão coloca-se, pois, em têrmos das relações entre o folclore e a literatura.

Disse que se deve considerar também o ponto de vista particular do folclorista. Deve-se, é claro, porém, mais por uma razão de ordem, que por uma questão de precedência. O folclorista foi dos últimos a tratar dos fatos folclóricos - lendas, tradições, mitos, superstições, crendices, técnicas de cozimento do barro, de modelação, formas de cultivo da terra, estilos típicos de vida etc. - e quando êle surgia no Século XIX tinha diante de si um trabalho de notação tão grande, que poderia iniciar o estudo do folclore indiretamente, nas grandes obras, começando na antiguidade clássica no teatro grego e em Homero, passando por Vergílio e Petrônio, até chegar a Gil Vicente, Cervantes, Mistral... O folclore confundia-se na literatura, embora não houvesse preocupação alguma em se fazer arte popular. É, aliás, uma sobrevivência dessa fase muito extensa a idéia de que o folclore constitui uma parte da literatura.

O aparecimento dos folcloristas modificou um pouco essa visão das coisas. De um lado porque êles distinguiam o folclore - cujo têrmo também criaram - em folclore subjetivo, em que se procura sistematizar e estudar os elementos folclóricos, buscando por aí atingir uma formulação científica e teórica, sob os auspícios do positivismo, e em folclore objetivo, item sob que seriam agrupados todos os elementos folclóricos, tôdas as danças, as cantigas, as superstições, as crendices, os provérbios, aquêles modos de ser e de agir típicos de um povo ou de uma região, o próprio conteúdo do folclore, pois. Já aí ficou feita uma divisão de trabalho. O estudo propriamente dito do material folclórico compete ao folclorista, ou qualquer outro especialista em ciências sociais. O literato, como tal, nada tem que ver com o "folclore subjetivo". E, é óbvio, pouco lhe interessam as questões teóricas e os aspectos técnicos do folclore; quando o romancista, por exemplo, se utiliza de material folclórico, faz notação ou faz estilização. Põe-se em contato direto com o fato folclórico - um personagem mítico, como a Iara ou o Saci - nas esferas do folclore objetivo sem nenhuma outra preocupação.

Os folcloristas do século XIX e alguns dêste século, entretanto, desvendaram um novo modo possível de se encarar as relações entre o folclore e a literatura - ou, mais precisamente, de situar um e outro, partindo do próprio conceito de folclore. O folclore seria a cultura dos meios populares, das camadas baixas da população - nas zonas rurais e urbanas - em poucas palavras: a "cultura dos incultos". Era, pois, o conjunto de conhecimentos, técnicas e modos de ser dos iletrados, transmitido oralmente. Distinguia-se da literatura, cultura dos meios elevados, dos letrados e dos "cultos". A diferença entre a literatura popular e a literatura erudita é apresentada como uma diferença fundamental, de natureza: duas formas culturais antagônicas e, em certo sentido exclusivas. O burguês e o homem do povo - terminologia de Saintyves e de Maunier - seriam a expressão dêsse antagonismo. Aquêle vivendo a idade positiva contiana, pensando racional e logicamente as coisas, capaz também de progresso; enquanto o segundo revelaria uma etapa anterior do desenvolvimento das sociedades ocidentais surgindo como um homem imobilizado pelo passado e sufocado sob o pêso da tradição, pensando as coisas de modo anti-racional e ilógico. A diferença de mentalidades seria irredutível. Contudo, ela não é inata: o homem herda-a socialmente, revelando-a à medida que traduz o seu próprio meio social e cultural, a sua "cultura" - sua literatura e o seu folclore. Mas, essa irredutibilidade, essa diferença de natureza, abre um abismo entre o folclore e a literatura. Por isso diante do artista - romancista ou poeta - que se orientasse por esta concepção, haveria só três caminhos possíveis: aproveitar o folclore como fonte de sugestão. Aí o tema folclórico seria mero ponto de partida, e o que se incorporaria à literatura seria uma estilização do fato folclórico, e não o próprio fato folclórico. A essência, pois, da literatura, conservar-se-ia salva. O romance "Pedro Malasarte" do sr. José Vieira é um exemplo. Ou então o folclore surge como uma fonte de argumentos estranhos, exóticos e fortes - de motivos e temas novos, dando uma côr ao fundo do romance, um ambiente de vida desconhecido. O trabalho do romancista, no caso, se reduz a um aproveitamento superficial dos fatos folclóricos. É a notação rápida dos "costumes populares" dos românticos. Nunca ultrapassam os limites do descritivo e não há nenhum esfôrço no sentido de entender o homem sob o ângulo daqueles elementos folclóricos. E, ainda, o terceiro caminho, que é a tentativa mais arrojada: tentar uma conciliação entre as duas culturas, entre os dois "tipos" de homem. O tema folclórico deixa de ser simples ponto de partida, para assumir uma importância nova - o artista acaba atribuindo uma realidade essencial do mito, submetendo-se-lhe definitivamente. É a fascinação do abismo, pois o artista pode se despenhar de uma vez no folclore, como Mistral, adotando uma atitude de participação, sem que se possa avaliar até onde a solução pode ser aceita como intermediária. A finalidade maior do artista, entretanto, muitas vêzes é consciente, neste caso! A revelação essencial e integral de um povo, dando uma amostra do conflito das duas mentalidades e um comêço de síntese. Parece-me ser a de Goethe a tentativa mais vigorosa, no gênero; mas êle já estaria esquecido se não ficasse mais próximo da "cultura", que da simples peça de títeres que era o "Fausto". O resultado e o destino dessas aventuras é sempre êsse: fatalmente o artista dá maior ênfase aos valores de seu meio restrito, distanciando-se dos valores do povo à medida que as duas esferas de valores também se distanciam.


Modernamente, esboça-se um movimento que tende ao aproveitamento mais profundo dêsses valores folclóricos. De um lado, liga-se a uma concepção mais ampla de folclore. O folclore como uma expressão das condições presentes, típicas, da vida do povo, envolvendo todo seu estilo de vida. Essa concepção abre uma nova ponte entre a literatura e o folclore porque, então, desaparece aquela imagem do homem do povo vivendo imobilizado pela tradição e incapaz de progresso, surgindo em seu lugar o ser humano que êle é. Ou seja, a atenção do artista desloca-se dos fatos folclóricos pròpriamente dita para as pessoas que êles caracterizam. Surge aí o homem que interessa à literatura contemporânea, revelando em suas canções, em suas cantigas em suas modinhas, em seus desafios, em seus ABC, aquilo que êle pensa, que êle crê no momento e também o que êle deseja e o revolta. Os valores folclóricos como uma forma, mesmo de expressão da história contemporânea do povo e também de sua ideologia política. Aí é possível encarar o aproveitamento do material folclórico de outra maneira. Primeiro, em si mesmo como documentário; segundo, como uma espécie de pesquisa de busca da verdadeira imagem do "homem do povo". É o que acontece por exemplo no romance moderno de um Jorge Amado ou de um Cyro Alegria. A estilização é relegada e à notação segue-se um trabalho profundo de compreensão do homem em função de seus valores típicos. Os limites entre a literatura e o folclore não só tornam-se menos nítidos e rígidos, como a literatura apresenta-se como uma forma fecunda de revelação do folclore.

 

Cordel

Patativa de Assaré
Página da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia dedicada ao poeta, expoente da literatura popular e compositor musical cearense, Antonio Gonçalves da Silva, mais conhecido nacionalmente por Patativa de Assaré, reunindo sua produção poética, musical e discográfica.


Paulo Matricó
Excelente sítio do poeta, músico e compositor Paulo Matricó, que desenvolve a arte de contar histórias com o apuro de métrica e graciosidade do repente popular. Na página está toda discografia, poesias, fotos e demais informações deste excelente artista.


Teatro de Cordel
Site editado pelo cordelista, repentista, arte-educador, contador de histórias e mestre de cerimônias, César Obeid, onde pode ser encontrado material para apreciação acerca do cordel e repente, contações, oficinas, espaço do professor, nas empresas, entrevistas, depoimentos, fotos e agenda.


Cordel on Line
Sítio/blog criado pela escritora Clotilde Tavares em homenagem ao 140º aniversário do nascimento de Leandro Gomes de Barros (1865-1918), um dos mais renomados e famosos poetas de cordel. Neste espaço além de sextilhas publicadas por diversos autores com temas atuais, também se encontra o manifesto em defesa da Literatura de Cordel.


Poema de cordel
Página editada pelo escritor, poeta, jornalista e advogado potiguar Walter Medeiros, que foi um dos fundadores do jornal O Galo, da Fundação José Augusto, além de participar de outras tantas publicações. No espaço está disponível “Abelardo, o alcoólatra” entre outras obras, dicas e links de cordel.


Cordel Campina
Sítio editado pela União da Juventude Preservando a Cultura Popular Nordestina, trazendo história, xilogravuras, ensaios, dicionário, entrevistas, matérias e eventos.


Cordel Online
Um blog editado por Gianote veiculando o melhor da Literatura de Cordel, com atualizações periódicas e de muito bom gosto.


Cecordel

Sítio do Centro Cultural dos Cordelistas do Nordeste, presidida pelo poeta, cordelista e radialista Guaipuan Vieira, trazendo revistas, informativos, históricos, cordéis, fotos e estudos.


Dicionário de Folcloristas Brasileiros
Página do site do emérito e saudoso pesquisador e folclorista Mário Souto Maior, reunindo de A a Z aqueles que se destinaram à pesquisa do folclore e cultura brasileiras.


Poesia de cordel: relações icônico-textuais
Texto da professora MS Francisca Neuma Fechine Borges, apresentado no IV Congreso Latinoamericano de Ciências de la Comunicación, em Recife, onde destaca as relações icônico-textuais (interssêmicas e intertextuais) da obra “Donzela Teodora” do poeta popular Leandro Gomes de Barros.


Poemas de Cordel

Site editado pelo escritor, poeta, jornalista e advogado Walter Medeiros, trazendo diversos folhetos de cordel, além de notícias, artigos, contos, crônicas e suplementos.


Academia Brasileira de Literatura de Cordel
Site oficial da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, contendo além da diretoria e membros, informações sobre poetas, biografias, calendários, fotos, jornal, cordéis e notícias variadas sobre o assunto. Excelente para admiradores e consultas estudantis.

Cordelon
Site do Clube dos Cordelistas da Internet, concebida por Carlos Cícero de Lacerda Alencar como veículo de informação da Banda Cabaçal, divulgando a história, álbum de xilogravuras, biblioteca, autores, MP3 Cabaçal, espaço para novos autores e tudo sobre a Literatura de Cordel e a cultura folclórica nordestina.

Poesia Canudense
Aqui estão reunidas algumas poesias relacionadas à Guerra de Canudos, de autores conhecidos, como Augusto de Campos, Patativa do Assaré e Alberto Pucheu, como também textos de autores desconhecidos ou historicamente relacionados à guerra, como poetas do sertão, violeiros e cantadores, além de outros coletados do folclore e em domínio público. Uma ótima coletânea que aborta o tema com força e vivacidade.


Jessier Quirino
Site do poeta e arquiteto paraibano Jessier Quirino, autor que se mostra no palco com causos, cocos, cantorias e poesias da nordestinadade dos grandes menestréis. Na página pode ser encontrado dados do autor, a obra, crítica, agenda, mural e galeria.

 

Dados de SOBRE SITES -Luiz Alberto Machado http://www.sobresites.com/poesia/cordel.htm


Links:

História de M. Claros
História M. Claros

Poemas

Poemas blogs
Poema Virtual
Poetry Poem
Poesia Brasileira

Academia 11
Academia de Letras
Brasil Poesias
Brazilian Culture
Brazilian Literature

Rotary 4760 hpg
Rotary Club
Rotary Norte

Elos Clube hpg
Elos MG
Elos Clube M. Claros

Agenda
Agenda 2
Astro
Aventura 100
Balade
Banner
Biblioteca
Blog Poemas
Blue Book

Brésil Poétique
Channel 202
Charm Poem
Charme
City Links
Connecting BR
Crônicas
Culture
Cultura Virtual
Denilson Arruda

Ebooks
Ebook Wander
Emociones
Espiritismo Online
Folclore
Forest 133
Fortune
Fundação Rotária
Gold Democracy
Horizon 51
House Tree
Island 111
Links Espíritas
Links Espíritas hpg
Literature
Litoral Sol
Logos Brasil
Love
Love Ideas

Love Poems

Messages

Mensagens
Mensagens Espíritas
Mensagens p/ Lembrar
Multiply
Pensamento 11
Planalto Brasil
Poetry
Portal Dois
Portal Dois 1
Predicado
Predicado 1
Prefácios

Promenade 33
Skymaster 100
Soneto Música
Tempo Brasil
Tempo Virtual
Tempo Virtual 1
Tripod

Tropical Amazon
Wander - H
Wander - Humor