Curiosidades

 

O folclore brasileiro é rico em personagens mágicos. Esses seres que habitam o mundo dos mitos e lendas geralmente estão associados à natureza. Algumas dessas histórias chegaram aqui com os povos que colonizaram nossas terras, como os portugueses. Outras nasceram com os índios, súditos por excelência da mãe natureza. Há aquelas que são contadas há décadas e mais décadas sem que ninguém saiba ao certo como surgiram. Surgiram da necessidade que os povos tinham de explicar e justificar fatos e acontecimentos. Com características fantasiosas, impressionantes e surpreendentes, as lendas e os mitos foram o ponto de partida para os conhecimentos científicos. Conhecê-las é viajar pelo reino do folclore com o passaporte carimbado pela embaixada do sonho e da imaginação.


O monjolo e o pilão

 

O monjolo

O habitante do meio rural procura morar nas proximidades do rio, riacho, lugar onde haja água. Se ele é plantador de milho terá uma das mais prestativas máquinas: o monjolo.
Dizem que o monjolo veio da China. Mas ele foi introduzido no Brasil pelos portugueses. Braz Cubas introduziu o monjolo em Santos – São Paulo.
O monjolo trabalha no Brasil desde a época colonial. É uma máquina rudimentar, movida a água, constando de duas peças distintas: o pilão e haste.
O pilão é escavado na madeira, com fogo. Depois é aparelhado com formão. A madeira usada é a peroba, a canela preta ou o limoeiro.

Vários são os tipos de monjolos: de martelo, de roda, de pé, de rabo, de pilão de água.
O monjolo é o “trabalhador sem jornal”... como diziam antigamente, sem nenhum ganho.
Os caipiras diziam: “trabalhar de graça, só monjolo”.

O pilão

No pilão coloca-se o milho, arroz, café ou amendoim, para socar. A haste do pilão também é feita de uma madeira dura: maçaranduba, limoeiro, guatambu, canela preta ou peroba. A haste compõe-se de duas peças: a haste propriamente dita, onde está escavado o cocho, a mão do pilão e a forqueta, onde se apóia a haste, é chamada de “virgem”.
A água movimenta o pilão. A água, que chega através de uma calha, cai no cocho e quando este fica cheio abaixa com o peso da água elevando a haste. Assim que a água escorre a haste desce pesadamente, socando o que esteja no pilão.
Chamam de “inferno” o poço que fica sob o “rabo” do monjolo... é um inferno de água fira.

Fonte: www.terrabrasileira.net/.../sd-monjolo.html

 

Links:

História de M. Claros
História M. Claros

Poemas

Poemas blogs
Poema Virtual
Poetry Poem
Poesia Brasileira

Academia 11
Academia de Letras
Brasil Poesias
Brazilian Culture
Brazilian Literature

Rotary 4760 hpg
Rotary Club
Rotary Norte

Elos Clube hpg
Elos MG
Elos Clube M. Claros

Agenda
Agenda 2
Astro
Aventura 100
Balade
Banner
Biblioteca
Blog Poemas
Blue Book

Brésil Poétique
Channel 202
Charm Poem
Charme
City Links
Connecting BR
Crônicas
Culture
Cultura Virtual
Denilson Arruda

Ebooks
Ebook Wander
Emociones
Espiritismo Online
Folclore
Forest 133
Fortune
Fundação Rotária
Gold Democracy
Horizon 51
House Tree
Island 111
Links Espíritas
Links Espíritas hpg
Literature
Litoral Sol
Logos Brasil
Love
Love Ideas

Love Poems

Messages

Mensagens
Mensagens Espíritas
Mensagens p/ Lembrar
Multiply
Pensamento 11
Planalto Brasil
Poetry
Portal Dois
Portal Dois 1
Predicado
Predicado 1
Prefácios

Promenade 33
Skymaster 100
Soneto Música
Tempo Brasil
Tempo Virtual
Tempo Virtual 1
Tripod

Tropical Amazon
Wander - H
Wander - Humor